Consumidores contam como escolhem produtos

Aos 25 anos, Bianca Sales é daquelas consumidoras que exigem postura ética e sustentável por parte das marcas que consome. Já baniu um restaurante da sua lista de opções por não concordar com um posicionamento da empresa que considerou racista. “Procuro pesquisar se a empresa tem responsabilidade social, se é comprometida com a sociedade e se levam em conta a diversidade e inclusão”, diz Bianca, que atualmente faz a sua segunda graduação.

Nessa linha mais sustentável, ela procura consumir em casa apenas comida orgânica, apesar de ser mais cara. Também gosta de produtos periféricos, que ajudam a desenvolver pequenos empreendedores da periferia. “Não ligo para marcas famosas. Só com tênis, que acabo comprando os tradicionais”, diz ela.

Sua mãe, Maria Eliete Sales, de 64 anos, tem outras preocupações na hora de consumir. Diferentemente da filha, não compra produtos orgânicos, por causa do custo elevado. “Olho sempre o preço e a qualidade do produto. No caso de alimentação, gosto de comprar alguns produtos, como arroz e feijão, de marcas específicas, pois têm qualidade melhor”, afirma ela. Na compra de roupas, no entanto, procura peças mais baratas e sem marcas famosas. Mas reclama que nem sempre encontra o que quer. “Falta um meio termo. Não gosto de roupas muito velhas e também não dá para usar peças feitas para jovens.”

Brechó

Natália Luana da Silva tem 33 anos, e seu filho Flávio Augusto de Aquino, 14. Ela é da geração Y, e ele da Z. Natália se diz econômica, não é consumista. Ao contrário de muita gente da sua geração, ela sonha em comprar a casa própria para deixar o aluguel e ficar mais tranquila financeiramente. Na hora de comprar, diz que tem sempre uma preocupação com a sustentabilidade dos produtos adquiridos. “Procuro usar produtos sustentáveis, mas nem sempre é possível. Mas, quando posso, opto pelo que é ambientalmente correto.”

O filho ainda está formando seu perfil de consumidor e começa a escolher suas próprias coisas. Gosta de comprar jogos e artigos relacionados a skate. Mas, quando o assunto é moda, é difícil agradá-lo. Não costuma gostar das peças oferecidas pelas lojas tradicionais. Agora ele descobriu os brechós, onde encontra coisas mais “bacanas”. Além disso, contribui com a sustentabilidade do planeta”, diz ela.

Seja sócio das empresas do futuro com a beegin.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.