Glossário de investimento em startups: conheça os termos

O avanço da tecnologia fez surgir o mundo das startups e, junto com ele, um leque de termos novos e que fazem parte do dia a dia dessas empresas e dos investidores interessados nelas. Mas você sabe do que se tratam termos relacionados ao investimento em startups, como equity, scale-up ou pitch deck? 

Esse glossário foi criado justamente com o objetivo de ensinar sobre esses termos específicos e cada vez mais presentes no mundo empresarial e de investimentos, especialmente os alternativos

Fique por dentro dessas novas expressões e entenda se alguma dessas opções de investimento em startups faz sentido para o seu portfólio e objetivos de longo prazo. 

Aceleradora

O objetivo da aceleradora de startups é antecipar a fase de tração do negócio, ou seja, acelerar o seu crescimento. Isso é feito por meio da implementação de processos ágeis, aportes financeiros e também de conhecimento, por meio do smart money. 

O objetivo da aceleradora é obter lucro, então todo esse pacote é oferecido em troca de parte do equity da empresa. 

Cap table

Cap table, de forma prática, é o documento que indica a distribuição societária da empresa. O termo é abreviação de capitalization table e deve ser feito antes e depois de qualquer alteração dos sócios da companhia. 

Sempre que a empresa passar por uma nova rodada de investimento e passar a ter mais sócios fazendo parte do quadro, é preciso atualizar esse documento para que sempre fique claro como está a composição do quadro societário. 

CVM 588

A instrução 588 da CVM foi a primeira regra para o mercado de equity crowdfunding. Ou seja, as plataformas responsáveis por captar investimentos para startups e pequenas e médias empresas.  Em 1 de julho de 2022 ela foi revogada e passou a valer a Resolução 88 da CVM.

A regulação atual estabelece alguns parâmetros que precisam ser respeitados pelas empresas que irão captar recursos. Entre elas, as duas mais importantes são:

  • A empresa a ser investida não pode faturar mais de R$ 40 milhões por ano;
  • A oferta levantada pela plataforma não pode ser superior a R$ 15 milhões. 

Equity

O equity é o capital social de uma empresa e o termo também pode ser usado para indicar a participação acionária de investidores e empresários em uma companhia específica. Esse termo tem ganhado cada vez mais espaço nos dias atuais para explicar como empreendedores se tornam bilionários. 

Basicamente, se o empresário tiver 50% das ações de uma empresa, significa que seu patrimônio é constituído por metade do valor total da companhia em caso de venda. Esse é o seu equity. 

Equity crowdfunding

Equity crowdfunding é o investimento direto em startups, feito por meio de plataformas online que fazem a captação dos aportes de investidores diversos. 

A instrução 588 da CVM é responsável por regulamentar esse mercado e garantir que as operações sigam as regras estabelecidas. Foi por meio dessas plataformas que o investimento se tornou acessível a todos os investidores, e não apostas profissionais e qualificados. 

Exit

Um dos grandes objetivos dos empreendedores que fundam startups é conseguir chegar ao momento de exit ou saída. Para os investidores que apostaram no negócio, esse também é um momento importante, já que será a hora de reaver o valor investido mais a valorização obtida com o crescimento da empresa. 

Basicamente, o exit é o momento em que a empresa vai para um novo patamar, seja porque foi vendida ou porque decidiu ir para a bolsa de valores. Existem três formas populares de se chegar ao momento de exit, seja para a empresa ou para o investidor: 

  • A startup pode ser adquirida por uma empresa;
  • A startup pode fazer o seu IPO e entrar para a bolsa de valores;
  • O investidor pode vender sua parte para outro investidor.

Grupos de anjo

Os grupos de anjo são empresas formadas por investidores que buscam startups com alto potencial de crescimento para que sejam investidas e recebam o aporte necessário para alavancar seus negócios na fase inicial. 

Investimento anjo

O investimento anjo é um tipo de investimento alternativo que injeta capital em empresas nos seus estágios mais iniciais. O alvo desses investidores são startups em início de projeto, mas com alto potencial de crescimento identificado. 

Mútuo conversível

O mútuo conversível é um dos principais meios de investimento em startups no estágio inicial. Consiste de um empréstimo feito pelo investidor a startup que pode ser convertido em participação societária futura. 

Pitch deck

O pitch deck consiste de uma apresentação muito bem feita que tem o objetivo de vender a empresa para investidores. Nessa apresentação, é preciso conter informações importantes como o problema resolvido, como é a solução entregue e qual o potencial de crescimento da empresa. 

Rodada de investimento

Um dos termos mais populares envolvendo o investimento em startups é a rodada de investimento. Esse é um dos momentos mais aguardados pelos empreendedores responsáveis pela empresa. Trata-se do aporte financeiro feito por fundos de venture capital ou private equity para financiar a expansão da empresa. 

Existem inúmeros formatos de rodadas de investimento, variando de acordo com o nível de maturidade da empresa. Entre as principais, estão: 

  • Investimento anjo;
  • Capital semente;
  • Série A;
  • Série B;
  • Séries C, D, E e assim por diante. 

Scale-up

Uma empresa é considerada scale-up quando já passaram pela validação do modelo de negócio pelo mercado e estão em fase acelerada de escala em seus ganhos. Se a empresa tiver crescimento de 20% ao ano, durante três anos consecutivos, ela já pode ser considerada uma scale-up. 

Entre suas principais características, estão: crescimento financeiro saudável, vantagem competitiva, público-alvo fidelizado e mercado com grandes oportunidades de crescimento. 

Startup

Startups são empresas inovadoras que usam a tecnologia como meio para solucionar alguma dor latente na sociedade. São normalmente formadas por jovens e usam a filosofia de errar rápido e aprender rápido, testar, colocar no mercado um produto inicial, buscar sua validação e trabalhar na expansão. 

Tese de investimento

A tese de investimento é o conjunto de princípios e referências que o investidor leva em consideração na hora de escolher os ativos para investir. A partir dessa definição, o investidor irá definir quais investimentos fazem mais sentido para os seus objetivos. 

Entre os inúmeros pontos que podem ser analisados para se criar uma tese de investimento, os mais comuns são: tamanho da empresa, segmento de mercado, volume de investimento a alocar, maturidade do negócio, entre outros. 

Venture builder

A venture builder tem por objetivo desenvolver novas startups por demanda. São empresas que já nascem com o product market fit validado. A venture builder pode usar capital próprio, de investidores ou até mesmo por meio de projetos de Corporate Venture Capital. 

Realizar investimento em startups pode ser uma forma de diversificar seus investimentos. Confira as startups e scale-ups mais promissoras que estão captando investimentos pela beegin. 

Como investir em startups

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.