Onde investir para diversificar a sua carteira?

Onde investir

Com o cenário de juros elevados e inflação em alta, como decidir onde investir para proteger o capital e também conseguir boas rentabilidades? Esse é um dos grandes desafios dos investidores em 2022, por isso, vale a pena pesquisar sobre o assunto antes de definir a sua estratégia

Essa é uma importante decisão e será muito baseada no seu perfil de investidor, já que ele indica a sua disposição ao risco e também qual o seu horizonte de investimento: curto, médio ou longo prazo. 

A recomendação geral segue sendo uma carteira diversificada, capaz de gerar rentabilidade e também proteger o seu capital de possíveis movimentos bruscos do mercado financeiro ao longo do ano. 

Onde investir em 2022? 

Ano de eleição sempre gera muitas incertezas no mercado financeiro, afinal, não se sabe exatamente quem irá vencer a disputa e qual política monetária será adotada no ano seguinte: manutenção do que está vigente ou mudanças estruturais? 

Por isso, tende a ser um ano de cautela nos investimentos e preservação da carteira na distribuição em que já está estabelecida. O objetivo é preservar o capital e, se possível, encontrar oportunidades atraentes para potencializar a rentabilidade. 

O cenário econômico atual é de taxa de juros elevada, com a Selic em 12,75% ao ano e a inflação em patamares mais altos também. Isso faz com que os investimentos em renda fixa consigam remunerar com taxas mais atrativas. 

Já a renda variável tende a apresentar comportamento adverso, porque muitas empresas seguram investimentos e preservam seu capital para tentar entender qual será o cenário econômico nos próximos meses. Esse movimento faz com que oportunidades surjam ao longo do ano. 

De forma geral, é importante se atentar ao perfil de investidor e entender o que faz mais sentido para a estratégia da carteira diversificada: investimentos em ativos mais seguros e menos rentáveis, como a renda fixa ou ativos mais rentáveis e mais arriscados, como a renda variável. 

Onde investir em renda variável?

Em tempos de incerteza no mercado financeiro, a recomendação é buscar por mercados regulados e que precisam de comunicação transparente para seguir funcionando. 

Ações

A ação é a menor parte do equity de uma empresa. É como se fosse um grande bolo repartido em vários pequenos pedaços a serem comprados por investidores.  

Ao comprar uma das ações, você se torna sócio do negócio e fica elegível a receber parte dos eventuais dividendos pagos a partir dos lucros obtidos e se beneficiar da valorização da empresa em uma futura venda das ações. 

Parte dessas ações pode ser negociada no mercado aberto, por meio da bolsa de valores, ou no mercado privado, por meio de fundos de private equity, venture capital ou por plataformas de equity crowdfunding, que estão crescendo muito nos últimos anos.

Fundo de Investimento Imobiliário (FII)

Os fundos imobiliários são uma modalidade de fundos de investimentos focados em imóveis. Funcionam como um condomínio em que um grupo de investidores se reúne para alocar seu capital em imóveis usados para diferentes modalidades, ou em papéis que fazem parte do mercado imobiliário.  

O capital levantado pelos investidores é usado para a construção ou aquisição de imóveis, locação ou arrendamento. Todos os ganhos registrados nessas operações são distribuídos entre os cotistas, de acordo com a quantidade de cotas que cada um tem.  

Nos fundos imobiliários é possível começar a investir com R$ 100 e também comprar cotas ou partes de um fundo imobiliário. Isso torna o processo mais fácil. 

Fundo de ações

O objetivo do fundo de ações é investir no mercado acionário. Pela definição, dois terços do patrimônio do fundo precisa ser investido em ações que são negociadas no mercado organizado, como a bolsa de valores, entre outros. 

Essa é uma forma mais prática de investir em ações, já que o investidor escolhe apenas o fundo. Cabe ao gestor do fundo escolher em quais ações irá alocar o capital disponível. 

Onde investir em renda fixa?

Para perfis mais conservadores, existem ativos de renda fixa que transmitem boa segurança em momentos de volatilidade dos mercados. 

Tesouro Direto

O Tesouro Direto é considerado um dos investimentos mais seguros disponíveis hoje no mercado. Isso porque trata-se de um empréstimo feito pelo investidor ao Governo Federal. Ou seja, para ter problema com esse ativo, seria necessário que a União desse calote no investidor. A chance disso acontecer é remota. 

CDBs

Os Certificados de Depósito Bancário funcionam de maneira semelhante ao Tesouro Direto. A diferença é que o empréstimo é feito pelo investidor para instituições financeiras, que devolvem o dinheiro acrescido de juros ao final do período contratado. 

O CDB também pode oferecer a opção de liquidez diária. Ou seja, é possível converter o ativo em dinheiro no mesmo dia. Por isso, também é recomendado como opção para a reserva de emergência. 

Agora que você já tem informações para começar, fique de olho nas oportunidades de investimento disponíveis na beegin. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.