Renda fixa e variável: entenda as diferenças

beegin -invista em startups

O investidor que tem o objetivo de diversificar seus investimentos precisa entender as diferenças entre renda fixa e variável. Isso é importante na hora de compor uma carteira com ativos que farão sentido para os seus planos com esses recursos. 

Como o próprio nome diz, um dos investimentos traz uma rentabilidade mais fixa ou estável. Já o outro apresenta rentabilidade variada, que oscila de acordo com as movimentações da economia e humor do mercado. 

Conhecer os ativos que fazem parte da renda fixa e os que fazem parte da renda variável irão ajudar o investidor a montar uma carteira diversificada e que respeite o seu perfil e também tolerância aos riscos. 

O que é renda fixa? 

A renda fixa é composta por ativos que apresentam previsibilidade na rentabilidade dos investimentos feitos. Ou seja, o investidor consegue se programar e saber quanto receberá ao final do período em que o dinheiro estiver investido. 

Por ter essa previsibilidade, os investimentos em renda fixa oferecem menos riscos. Mas também apresentam rentabilidades menores se comparadas aos ativos de renda variável. Costumam ser recomendados para a reserva de emergência e também para compor a maior parte da carteira de investidores conservadores. 

Os títulos de renda fixa podem ser públicos ou privados. No caso dos públicos, o investimento é feito em títulos emitidos pelo governo. Já no caso dos privados, os títulos são emitidos por bancos ou empresas.

A rentabilidade de alguns títulos pode ser pré-fixada ou pós-fixada. E também atreladas a indicadores como o CDI ou IPCA.  

Entre os principais ativos de renda fixa, estão: 

  • Tesouro Selic ou Tesouro IPCA +;
  • Certificado de Depósito Bancário (CDB);
  • Letra de Crédito Imobiliário (LCI);
  • Letra de Crédito do Agronegócio (LCA);
  • Debêntures;
  • Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI);
  • Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA). 

O que é renda variável? 

A renda variável é composta por ativos que apresentam rentabilidade variada ao longo do tempo. Ou seja, o preço dos títulos ou ações pode variar de acordo com as oscilações naturais do mercado e também notícias que impactem a economia de forma geral. 

Por ser um ativo imprevisível, apresenta maiores riscos e volatilidade, mas também tem potencial de oferecer ganhos maiores. É recomendada para compor parte da carteira do investidor, sendo a maior parte no caso de investidores mais agressivos. 

O investimento em renda variável pode ser feito por meio de corretoras ou bancos, que normalmente têm um home broker para o investidor realizar suas operações de forma autônoma. Mas também é possível fazer isso por meio de fundos de investimento. 

Os principais ativos de renda variável são: 

  • Ações ou fundo de ações;
  • Fundos imobiliários;
  • Private equity;
  • Venture capital;
  • Câmbio;
  • Contratos futuros;
  • Exchange Traded Fund (ETF). 

Diferença entre renda fixa e variável

As diferenças mais importantes entre renda fixa e variável são: risco, volatilidade e rentabilidade. A renda fixa apresenta menos risco, menos volatilidade e menor rentabilidade. 

Já a renda variável apresenta maior risco, maior volatilidade e, consequentemente, maior rentabilidade. Isso se o prazo de investimento for respeitado até o final. Em caso de resgate antes do vencimento, há o risco de perda de dinheiro. 

O investidor precisa conhecer bem o seu perfil para entender como vai distribuir os ativos de renda fixa e renda variável para compor sua carteira e alcançar seu objetivos de curto, médio e longo prazo. 
Investir em empresas inovadoras pode ser uma forma de conseguir remunerações superiores aos da renda fixa, por exemplo.

E se você procura na renda variável investir em empresas emergentes, com maior potencial de crescimento, confira as melhores empresas para investir na beegin.

Como investir em startups

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.