Como calcular o VALOR de uma EMPRESA? Valuation na prática!

beegin -invista em startups

Olá, investidor! Já notou que é sempre muito difícil atribuir valor a alguma coisa? Valor, diferente de preço, é algo subjetivo. Algo que tem valor para mim, pode não ter valor para você. E não é diferente com as startups. O que eu vou te mostrar hoje é como calcular o valor de uma empresa. E o termo que define isso é o valuation. Numa tradução livre, valuation é avaliação. Na prática é o processo analítico de determinação do valor atual ou projetado de um ativo ou empresa. 

Fica comigo até o final que eu vou te mostrar os principais critérios usados para se avaliar um negócio.

Numa consulta rápida em sites de Venture Capital e consultorias, você pode encontrar alguns métodos, mas eles são apenas balizadores. Muito do que se faz, independente do método, se baseia em projeções, suposições, com um grande grau de incerteza, pela própria natureza do mercado e do mundo da inovação. 

Do ponto de vista prático, quando o investidor olha para uma startup ou negócio, o que ele quer saber é quanto o investimento feito hoje vai valer amanhã. E o que determina esses ganhos futuros é quantas vezes o capital vai se multiplicar. Considerando que o que ele está comprando é uma participação acionária no negócio, ele quer saber por quanto o pedaço que ele comprou vai poder ser vendido amanhã. E para isso, a gente precisa entender quais são os principais balizadores usados pra chegar nesse número. 

Na fase de captação de investimento anjo ou seed, considerando que as startups são empresas jovens, é muito pouco provável que você encontre ativos para entender o tamanho daquela operação ou o histórico de informações financeiras dos últimos 5 anos. 

Nos casos em que a startup já está operando, é possível usar alguns indicadores como: receita, taxa de crescimento, EBITDA, número de clientes, entre outros. A esses números serão aplicados múltiplos, que são a razão de crescimento esperado ou projetado para o negócio. Esse é um dos métodos de valuation, que a gente chama de múltiplos comparáveis. 

A 1ª etapa para descobrir qual é o múltiplo correto é entender qual mercado, tipo de negócio e empresas similares podem ser usadas como referência. Se uma empresa opera em modelo SAS (software as service), por exemplo, a gente usa a taxa de crescimento de empresas com o mesmo perfil ou que operam o mesmo modelo de negócio. Essa taxa é um múltiplo, que pode ser 10x, 15x… O empreendedor precisa ficar atento quanto ao aporte financeiro que precisa ser suficiente para suportar o negócio e impulsionar as iniciativas que vão sustentar o múltiplo de crescimento ou ROI esperado. De forma bem simplificada, se a startup está cedendo 25% de participação, por R$ 1 milhão, esse R$ 1 milhão tem que ser suficiente para fazer ela chegar na próxima rodada valendo mais do que ela vale na rodada atual. 

A questão é que a taxa de crescimento do mercado ou do concorrente não garante que aquela startup avaliada vai ser bem sucedida. É aí que entram os fatores subjetivos para formar a nossa análise. Faça as seguintes perguntas para uma análise qualitativa: 

  1. Em qual mercado esse negócio está inserido? 
  2. Existe espaço para um novo entrante? 
  3. Temos uma solução inovadora? 
  4. Essa solução realmente responde a uma demanda ou problema não solucionado? 
  5. A startup está estruturada para atender essa demanda? 
  6. O modelo de negócio é consistente? 

A análise leva em conta vários fatores e de acordo com o mercado, a tese de investimento e o estágio da startup a gente vai atribuindo uma pontuação para formar um “score” (lettering: pontuação/classificação) do projeto. 

Com o mercado superaquecido, o valor das startups não para de subir, projetos embrionários tem aparecido com valores superestimados. Como a prática é olhar para o lado para saber quanto valem os negócios semelhantes, um projeto supervalorizado puxa o outro e acaba gerando aquela dúvida: será que estamos no meio de uma bolha? 

Pra não cair em armadilhas, o empreendedor tem que ter consciência que valuation é uma promessa de futuro e que se a operação entregar o que estão prometendo, numa próxima rodada ele não vai conseguir captar ou vai ter que sacrificar o seu cap table

Transparência é a palavra-chave, projeções sólidas com base em cenários realistas vão deixar o investidor mais seguro. Quer ganhar uma planilha de valuation elaborada pelos nossos especialistas? Comenta aqui embaixo #euquero pra receber esse bônus. 

E se ainda tiver ficado com alguma dúvida, deixa aqui nos comentários que nós vamos te ajudar! Não se esqueça de se inscrever no nosso canal para acompanhar mais vídeos como esse! 

Acompanhe também nossas oportunidades.

Até o próximo vídeo, investidor!

Como investir em startups

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.